Ex-Atlético e Cruzeiro, Marcelo Oliveira projeta clássico na grande final

Com passagens por Atlético e Cruzeiro, o técnico Marcelo Oliveira conversou com o Superesportes e projetou o clássico entre os rivais neste sábado (2), às 16h30, pela final do Campeonato Mineiro. No Mineirão, em Belo Horizonte, Galo e Raposa decidirão, em jogo único, a taça do Estadual.

Como jogador de futebol, Marcelo Oliveira defendeu o Atlético em duas passagens – de 1970 a 1979 e em 1983. Ao todo, o ex-meio-campista marcou 104 gols em 285 jogos com a camisa alvinegra e conquistou quatro Campeonatos Mineiros.

Já como treinador, Marcelo Oliveira comandou o Galo em 2002, 2003, 2006, 2007, 2008 e 2016. Ao todo, foram 95 jogos, com 36 vitórias, 31 empates e 28 derrotas. Na beira do campo, ele não conquistou títulos pelo Atlético.

Na carreira como técnico, aliás, o momento de maior glória de Marcelo Oliveira ocorreu sob comando do Cruzeiro. Entre 2013 e 2015, ele comandou a equipe celeste em 169 partidas, com 106 vitórias, 32 empates e 31 derrotas. Neste período, foi bicampeão brasileiro (2013 e 2014) e conquistou um Campeonato Mineiro (2014).

Sem clube desde dezembro de 2020, quando foi demitido pela Ponte Preta, Marcelo Oliveira projetou o clássico entre Atlético e Cruzeiro na decisão do Campeonato Mineiro. Na avaliação do treinador, o Galo ostenta vantagem por ser um “time pronto”, enquanto o Cruzeiro está “em reconstrução”. Ainda assim, ele não arriscou um vencedor no duelo.

Marcelo Oliveira sobre Atlético x Cruzeiro

São dois momentos realmente distintos. Um está com o time pronto, preparado, com reservas que têm a mesma qualidade dos titulares, com variedade de jogadores, número grande para o técnico usar de acordo com o andamento do jogo.
O Atlético está um time pronto e vai jogar contra um time e clube em reconstrução. Só que me parece que o trabalho do Cruzeiro está indo muito bem. Pelo que vi, o Cruzeiro está com um time competitivo, que marca adiantado, pressiona.

Se fossem dez jogos, acho que o Atlético ganharia um número maior: sete, empataria um e perderia uns dois. Mas é um jogo decisivo. Além da técnica e do melhor momento, entram também a motivação, a estratégia. O futebol permite isso.
O Atlético é melhor, mas eu não apostaria que vai ganhar. A gente tem visto exemplos pelo mundo todo de que a técnica é fundamental, mas divide espaço com o físico e o tático. Isso permite que a 
Macedônia do Norte faça um jogo de marcação forte e leve a vitória com uma bola (contra a Itália). O Cruzeiro não vai fazer isso (jogar por uma bola), mas está com um trabalho de reconstrução no caminho certo“.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.