Boris Johnson diz que mulheres trans não devem competir no esporte feminino

Mulheres trans não deveriam competir em eventos esportivos femininos, disse o primeiro-ministro britânico Boris Johnson a emissoras nesta quarta-feira (6).

Johnson estava falando enquanto o país parecia pronto para abandonar os planos de realizar uma conferência emblemática projetada para promover os direitos LGBTQI+ em todo o mundo.

Instituições de caridade e organizações estão boicotando o evento após uma disputa sobre terapia de conversão para pessoas trans.

“Não acho que homens biológicos devam competir em eventos esportivos femininos. E talvez isso seja uma coisa controversa… Mas me parece sensato”, disse o primeiro-ministro.

“Também acho que as mulheres devem ter espaços — seja em hospitais, prisões ou vestiários — que sejam dedicados às mulheres. É até onde meu pensamento se desenvolveu sobre essa questão.

“Se isso me coloca em conflito com alguns outros, então temos que resolver tudo. Isso não significa que eu não seja imensamente solidário com pessoas que querem mudar de gênero, fazer a transição e é vital que dêmos às pessoas o máximo amor e apoio para tomar essas decisões.”

Os direitos das pessoas trans tornaram-se um ponto de discussão importante, pois os esportes buscam equilibrar a inclusão com a garantia de que não haja vantagens injustas.

A ciclista trans Emily Bridges foi descartada do Campeonato Nacional Omnium da Grã-Bretanha no último fim de semana depois que o órgão regulador do esporte, a UCI, decidiu que ela era inelegível.

A British Cycling liberou a Bridges para participar de sua “política de participação trans e não-binária”.

A levantadora de peso neozelandesa Laurel Hubbard se tornou a primeira atleta trans a competir nos Jogos Olímpicos de Tóquio no ano passado.

A nadadora da Universidade da Pensilvânia, Lia Thomas, no mês passado se tornou a primeira trans campeã da National Collegiate Athletic Association (NCAA) na história da Divisão I depois de vencer as 500 metros livres feminino.

Thomas competiu na equipe masculina da Pensilvânia por três anos antes de fazer a transição e estabelecer vários recordes do programa com a equipe feminina, mas sua elegibilidade passou por uma análise considerável.

A orientação mais recente do Comitê Olímpico Internacional (COI), atualizada em novembro do ano passado, é que nenhum atleta deve ser excluído da competição com base em uma vantagem injusta percebida devido ao gênero.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.